quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

• Peregrinação - o filme

Peregrinação. Um livro incompreendido. Ainda pouco realçado, ao menos em relação ao que mereceria, a meu ver. E este blog chama-se “Ideias Peregrinas”, não é?… Então… Tem tudo a ver.

Fernão Mendes Pinto. Um obscuro personagem, menos lembrado que o seu mais ilustre contemporâneo Luís Vaz de Camões. Porque não escrevia em verso. Mas cuja vida e obra já merecia um filme, também.

Em Portugal os filmes que cá se fazem raramente podem contar com orçamentos generosos para a sua feitura. Portanto, este foi o filme possível de ser produzido. Um filme de autor. Receita clássica, ao velho estilo do cinema europeu. Ou o que tem de ser tem muita força.

Talvez não muito fiel e valioso em termos de reconstituição histórica. Mas com uma fotografia com nota artística alta. O que já não será nada mau de todo.

Mais pobre resultado final teve, julgo eu, o filme “La mort de Louis XIV”, do qual já me ocupei num post de outro blog meu.

Filmado na China, Japão, Índia, Malásia, Vietname e Portugal, dizem acerca da produção desta obra da sétima arte… Com tantas andanças assim, eu julgo que os cenários naturais poderiam ter sido um tudo nada melhor explorados. A coisa deve ter-se quedado tal qual devido á velha história do bom ser inimigo do óptimo…

Sob um outro ângulo, ás tantas este filme parece mais ter sido feito para promover uma antiga obra musical de Fausto com o mesmo título e sobre a existência do mesmo aventureiro.

Podia ter sido mais enriquecido em substância, este filme… Mas não envergonha o seu realizador, João Botelho. Alguns podem achar o seu visionamento algo enfadonho. É no entanto necessário olhar para esta criação artística com alguma benevolência. Por causa sobretudo da fotografia, uma vez mais volto a frisar.

É também uma oportunidade para nos maravilharmos com a doce interpretação de uma actriz dona de uma graça e beleza bem raras. Raríssimas. Sublimes. Ilustradas exemplarmente neste filme.

Falo de Jani Zhao. Que temos a sorte de ter nascido entre nós, em Leiria. Enquanto ela tem a desventura de não ter nascido em Beijing. Ou ainda melhor, quiçá, em Beverly Hills. Mas há-de lá chegar. Se algum olheiro puser a mira nela.

Assisti a este filme ontem. E mais uma vez foi singularmente feliz e reconfortante aquela transição do sonho para a realidade que nos acomete sempre que se sai da sala do cinema para a rua cheia de transeuntes alienados pela hora de ponta do crepúsculo.

Um dia destes, com sorte saio do nimas com ela a meu lado. E a coisa será ainda mais cool.
______________________________________________________

Nota: para ver um trailer deste filme, clicar aqui.

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

• Porque correm?...

“Porquê agitares-te, ó meu mestre? A  vida é como o relâmpago, o seu brilho mal dura o tempo de ser apercebido.”
- Lao Tzu     

Porque correm as pessoas hoje me dia?… Porque todas as empresas em que se acometem parecem-me sempre vãs?… 

E agora vem aí a época do ano em que os comuns mortais andam mais desassossegados… O Natal. Mais um Natal.

Eu cá quero ver se sobrevivo uma vez mais a esta agitação que se avizinha. Todos os anos cada vez um pouco mais cedo no nosso calendário. Só há talvez algo que me fará sair da voluntária e doce pasmaceira que me rodeia: um chamamento para partir até onde a paisagem esteja toda branca.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

• Num impasse

Estou a viver num limbo. Um pouco cansado do que faço. Mas sem querer abandonar de todo esta actividade que me tem permitido conhecer melhor este país onde vim ao mundo.

Estes últimos dois meses tenho tomado missões de trabalho em doses homeopáticas. Mas em breve tenho de retomar um outro ritmo mais elevado. Sentir the energy of money dá gozo.

Opcionalmente, poderia ir viajar por paragens onde ainda não pus os pés. Sair finalmente deste velho continente. Só que… Estou sempre à espera de um íman que me atraia.

A estação fria nunca mais chega aqui. Estamos no fim de Outubro e ainda neste último fim de semana estava um calor de rachar num lugar onde costuma haver uma brisa do mar bem fresca, a Praia de Vieira de Leiria. Só apetecia deitar naquele areal e ficar a torrar ao sol… 

Já tenho saudades de sentir alguns arrepios de frio na rua e voltar para um lar bem quentinho. E de fazer sauna. E quero ver se consigo usar a minha ushanka com absoluta necessidade. Ás tantas vou surpreender-me em breve tomando a súbita consciência que estou para lá dos Urais.

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

• Ressuscitar um clássico

Neste Portugal dos anos 30 do século passado houve uma família portuense de aventureiros, os Irmãos Ferreirinha, que se arremeteu a criar uma marca automóvel, a Edfor. E desenhou um veículo desportivo de linhas muito arrojadas para a sua época.

Eu creio que este carro é tão fascinante no seu design que merecia largamente ser de novo produzido nos dias de hoje, numa escala artesanal. E em versão eléctrica. Já que os veículos que têm de recorrer a combustíveis fósseis parece que vão ter os seus dias por fim contados. E talvez muito mais breve do que a maioria de nós nem sequer sonha.

Ah, se eu tivesse o dinheiro necessário para fazer reviver este Edfor Grand Sport, que deveria ter tido uma vida bem mais longa... Ok, "prontes", isto é só mais uma ideia peregrina, o que é que se há-de fazer?...

terça-feira, 22 de agosto de 2017

• 8º aniversário

8 anos. E muito cansado. Cansado de tudo. Ou quase tudo. Menos de esperar. Continuo a esperar. Sempre esperarei. Já nem sei bem o que esperar. Mas espero.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

• Não entendo

Há cada vez mais forasteiros a visitar este meu país. E os malandros aparecem nos mais recônditos lugares, que por vezes nem dos tuguinhas locais julgo serem tão conhecidos.

Portugal já não é só o Algarve, o sol e a praia. Até o outrora sombrio Porto e Norte de Portugal está a ser tão ou mais visitado do que a talvez mais cosmopolita e minha região de Lisboa e arrabaldes.

Estamos a ser descobertos por todos os outros povos deste nosso planeta comum. E o que aqui vislumbram parece encantá-los.

E eu que aqui vivo e que conheço outras realidades lá fora não entendo esta febril invasão de turistas a este pequeno rectângulo.

Deve haver algo que nos diferencia e que atrai os enxames que cada vez mais pululam por tudo quanto é canto dentro das fronteiras mais antigas deste mundo. Mas o que será?… E qual foi o clic a partir do qual houve este aumento exponencial das torres de Babel pelas ruas das nossas urbes?…

É bom que se investigue isto. Se queremos que se perpetue por muito mais tempo esta onda neste corrente ciclo tão positivo.

É bom que não nos deixemos cegar por esta súbita euforia. Porque, apesar de tudo, ainda temos muito por onde melhorar. Tornámo-nos uns predilectos de repente mas estamos longe de sermos perfeitos.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

• Obrigado!...

Este corrente mês de Junho tem sido uma correria danada!… Mas como soe dizer-se por aí, quem corre por gosto não cansa.

Tenho sido bem feliz no meio de tanta azáfama. E quero pensar que há alguém lá longe que anda a pedir aos anjos dela por mim e pelo meu bem-estar.

Quero crer também que saberei quem é esse alguém. E daqui deste blog vou agradecer a essa alma que me é muito querida.

Aitäh, kallis.

sexta-feira, 28 de abril de 2017

• Livin' la vida loca

Back in business, one more time. Driving some of these fine luxury limos, shown below. All around, all day, full speed ahead. Looking sharp on my monkey suits. Eating as a special guest in the finest local restaurants. And on top of it all, making quite a nice deal of pocket money on the side.  ;-)
Just a few months ago, I said about myself that I'm a bum. At that time I was at the bottom of the gutter, without a dime for my usual daily expresso coffee, even. As we often say here in my homeland, “a vida dá muitas voltas”.

quinta-feira, 23 de março de 2017

• BTL - Bolsa de Turismo de Lisboa

Desde há cerca de um ano que tenho estado mais activo na área do turismo. E desde há muitos mais anos que sou um aficionado pelas feiras de sectores profissionais, regra geral organizadas pela FIL - Feira Internacional de Lisboa.

Por estas razões, fui visitar, como é meu hábito enraizado, a última BTL 2017 - Bolsa de Turismo de Lisboa, que terminou no domingo passado.

Com a minha mania - ou pancada - de arrebanhar papeladas sempre que posso, lá estive a tentar encher uma mala-trolley com brochuras, folhetos e demais produções gráficas que os diversos expositores deixam à disposição dos visitantes da feira.

O meu entusiasmo (aliado a uma antiga deformação profissional de designer gráfico), no entanto, esmorece de ano para ano. Ou então é a minha mentalidade que vai amadurecendo. O resultado final foi que desta vez trouxe comigo muitos menos kilogramas de papel.

É verdade que os expositores na BTL são cada vez menos e com menor exuberância nos seus stands. E já não renovam tanto de ano para ano as peças gráficas com que pretendem nos cativar. É quase sempre mais do mesmo. De algo que já arrebanhei em anos anteriores. Tudo como dantes, quartel-general em Abrantes.

Resumindo… Nada vi de tão deslumbrante este ano na BTL 2017. Mas os meus gostos também serão outros agora, porventura…

De acordo com um interessante site, o GetYourGuide.com, parece haver no momento actual dois destinos turísticos emergentes a nível global. Que não estiveram representados nesta feira: os Emiratos Árabes Unidos e a Islândia

O que é pena mas ao mesmo tempo perfeitamente aceitável. Não são ainda destinos que interesse assim tanto promover junto de nós, tugas, que só queremos as promoções baratinhas de Cancun, Cuba, República Dominicana, Cabo Verde e outras que tais.

As organizações que promovem o Turismo do Dubai estarão sobretudo mais focadas em continuar a receber turistas de país emissores com poder de compra maior do que o nosso. O que é apenas natural. 

E na Islândia também pensarão assim, com certeza. Mas não desdenham tanto assim também atrair todo o cão e gato e bicho careta deste mundo dos deuses para conhecerem o seu pequeno e ainda misterioso país.

Ao menos no ciberespaço estes descendentes dos vikings estão deveras agressivos. Sendo muito omnipresentes com publicidade em banners em vários websites aqui e acolá.

E eu que ando a levar turistas por todo o nosso Portugalito em veículos de gama alta, fico encantado com a solução que os conterrâneos da Bjõrk arranjaram para mostrar o seu belíssimo mas inóspito território aos forasteiros que o demandam.

Pois é… As Mercedes Viano na Islândia são… helicópteros. E há montes de tour operators a propor voos de meia-hora a três horas sobre a capital Reikjavik, lagos, montanhas, glaciares, formações vulcânicas ou a costa oceânica.

As magníficas imagens que neste post se mostram, com notas técnica e artística 10, são do site da Iceland Luxury, uma marketing operation, segundo os próprios.

Para ver um dos seus excelentes vídeos promocionais, clicar aqui.

Outros sites de interesse sobre esta curiosa temática dos singulares tours turísticos na Islândia são:
Mal posso esperar para assistir um dia lá e me deslumbrar com esse fenómeno tão espectacular que são as Aurora Borealis, ou como dizem os nórdicos, the Northern Lights.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

• Places to go before I die - VI

Frio. Faz frio no hemisfério norte. E era logo agora, que este novo ano começou, que eu podia partir. Mas faz frio. E não é o quentinho do hemisfério sul que me cativa.

Não rumei à Europa setentrional neste Janeiro que findou porque poderia ter de ir parar à beira do Mediterrâneo. Mas a coisa gorou-se.

Ainda tenho asas para voar. Ainda poderei partir. Mas já não tenho certezas para onde quero ir, afinal. E por isso, enquanto  me deixo ficar voluntariamente encalhado, ocupo o meu tempo a divagar. A pesquisar destinos de sonho.

Quero presentear os meus olhos com o inusitado. Este mundo global está a ficar igual por um todo. E eu quero descobrir novas utopias.


Há um Wedding Palace em Ashgabat. E eu desato logo a querer cumprir lá esse desiderato: casar.


Falta só encontrar a dama que o queira fazer comigo neste glamoroso palácio, que não é mais do que um Registo Civil vulgar de Lineu. Ou talvez não. Quiçá tão vulgar assim, digo eu...

Ashgabat é a capital do Turquemenistão. Uma das novas nações da Ásia central que acaba com o sufixo -istão.

E o Wedding Palace não é a única obra outrora utopia na mente do seu criador que foi tornada realidade lá.

Notáveis são também um Culture and Recreation Center, que é basicamente um centro comercial, com áreas dedicadas ao entretenimento e a museus...

...e a tradicional Television Tower das antigas Repúblicas Socialistas Soviéticas, reinventada e enquadrada na simbologia turcomena.



Mais outra utopia que se persegue naquelas longínquas paragens é a edificação da assim intitulada Dubai do Mar Cáspio. Em Awaza.

Mas aí, aparentemente, as coisas estão a andar a ritmo mais lento do que terá sido sonhado bem no arranque desse projecto megalómano. Sementes já foram lançadas ao terreno e cresceram, no entanto. Já é possível fazer umas fériazitas sol e praia lá, à beira daquele estranho mar.

E depois, a mais de uns 300 km a norte da capital deste país meio anónimo, no meio do deserto de Karakum, que cobre cerca de 70% da superfície do país, há uma curiosa atracção turística, que nasceu dum erro do homem: a cratera de Darvaza, mundialmente conhecida como “the Gate of Hell”.


More than anything else, I must go to this place before I die. To check in advance what’s waiting for me.

Ou um pouco mais a sério, é mister que eu troque as vestes da minha alma. Mais cedo ou mais tarde. Mais perdido do que já estou aqui e agora, parado sem navegar, será difícil que fique. 

domingo, 1 de janeiro de 2017

• ZEUS - o filme

2016 acabou. E eu consegui chegar quase até ao fim ileso.

Mesmo quase, quase a terminar a minha superior missão no penúltimo dia do ano, já a noite caía… O motor da minha bela montada deu a alma ao criador.

Vá lá que ainda pude, contudo, proclamar "Prova Superada!". Como no "Jogo do Ganso", outrora famoso na caixa que mudou o mundo, a pantalha lá das nossas casas.

Mas isso são contas de outro rosário. O que importa agora é que 2017 vai começar logo com a estreia do “meu” filme, Zeus. Num cinema perto de si a 5 de Janeiro próximo. O cartaz deste big blockbuster movie, que se mostra aqui de ladecos, já anda bem espalhado por aí, por toda a cidade grande.

Sempre quero ver se e como fiquei no boneco. Sempre quero ver...
____________________________________________________

Para ver o trailer deste filme, que ainda não tem o seu site oficial, tanto quanto sei, clicar aqui. Info disponível até ao momento sobre este filme pode ser consultada clicando aqui.

E as coisas não ficam por aqui!... Estou a assistir no televisor da sala, na RTP1, agora mesmo ao making of da série "Ministério do Tempo", onde também em Agosto passado fiz uma perninha.